Craveiro e Cravinho

Disponível para Shows. Consulte-nos

Release

Sebastião Franco, o Craveiro - Pederneiras, SP - 1931
João Franco, o Cravinho - Pederneiras, SP - 1939
Filhos do violeiro Josué Franco. Quando eram crianças cantavam com o pai em festas nas fazendas próximas à cidade natal. Em fins dos anos 40, resolveram fazer a dupla com os nomes de Craveiro e Cravinho. Em 1958, ingressaram na rádio Difusora de Piracicaba na qual atuaram por quase 20 anos. Foram ouvidos pelo produtor Teddy Vieira que os levou para São Paulo. Em 1962, gravaram o primeiro disco pela Sertanejo interpretando a moda de viola "Milagre do retrato", de Sulino e Paulo Calandro e a cana-verde "Pelé dos pobres", de Sulino, Moacir dos Santos e Fernandes.
Em 1963 gravaram o cateretê "Ministro de Deus", de Fernandes e Carreirinho e o xote "Gaúcho guapo", de Carreirinho e Zé Carreiro. No mesmo ano gravaram a moda de viola "Ladrão de estrada", de Teddy Vieira e o corrido "Recordação", de Cravinho e Jaime Pereira. Em 1964 gravaram o pagode "Sou igual", de Sulino e Moacyr dos Santos e o rasqueado campeiro "Peito de aço", de Teddy Vieira e Cravinho. Em 1967 gravaram o primeiro LP, "Rei da festa", que trazia assinatura de Tonico e Tinoco na contra-capa, e que se tornaram padrinhos da dupla.
Realizaram diversas gravações ao longo dos anos 60 e 70, alcançando sucesso com as músicas, "Ponta de faca", de Nhô Serra e Cravinho, "Mata deserta", de Craveiro e Cravinho, "Rei da festa" de José Franco e Cravinho, "Casa de Mané Pedro", de Piraci, "A força da inocência", de Dino Franco e Osvaldo de Andrade e "Meus quinze anos", de Cravinho e Zezito, entre outras.
Apresentaram-se com frequência nas Rádios Record e Bandeirantes. Em 1999 após 12 anos sem gravar, lançaram pela Continental seu primeiro CD, com produção de Paraíso e Mário Campanha, tendo como destaque as composições "Franguinho na panela" e "Cadeira de balanço".
No mesmo período comandavam o programa de rádio "Domingo com a viola", na Educadora AM de Piracicaba.